Pinhalzinho foi novamente contemplado com o projeto ‘Educação em Tempo Integral: Escola Viva’. O projeto foi inscrito em 2016 pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente (CMDCA), secretarias de Educação e Assistência Social, aprovado para coo-financiamento do Itaú Social. A execução do projeto foi em 2017, atendendo 209 crianças, de 03 a 12 anos, que frequentam a Educação Infantil e a Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Maria Terezinha.


O projeto trata de ações articuladas entre as secretarias de Educação e Assistência Social, por meio do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) e a Emef. Essas articulações deveriam criar soluções para fortalecer a trajetória escolar e o desenvolvimento integral das crianças por meio da oferta da educação integral. O CMDCA faz todo o acompanhamento do projeto e emite relatórios para a Fundação Itaú Social sobre o andamento das atividades.
Em 2017 a Fundação Itaú publicou um novo edital de seleção de projetos voltados a atendimento da criança e adolescente, que possibilitava a reinscrição e vinha ao encontro do projeto que já estava em andamento em Pinhalzinho. Foi realizada uma nova inscrição pelo CMDCA e em dezembro de 2017 confirmada à seleção do projeto para execução em 2018, no valor de R$ 665.342,81.  


O projeto continua sendo executado pela Secretaria Municipal de Educação, através da Emef Maria Terezinha juntamente com a Secretaria de Assistência Social por meio do SCFV. Além das disciplinas formais, contidas no currículo escolar, os alunos terão no contra turno, oficinas de desenho, contação de história e teatro, informática, artesanato, cidadania, musicalização e dança livre, além de outras.


Para este ano, o CMDCA entendeu que poderiam ser contratados os profissionais que atenderão no projeto, por meio de um chamamento público. A contratação e acompanhamento da equipe será pelas instituições de ensino que se credenciarão dentro do edital de chamamento público, publicado dia 26 de janeiro.


Conforme a coordenadora de Assistência Social, Ivone Orso, o projeto atendeu aos objetivos propostos. Com a execução do projeto foi possível demonstrar a importância do mesmo para toda comunidade escolar e seu entorno, despertando o interesse na continuidade do mesmo para os próximos anos. Considerando os relatos apresentados, tanto pela equipe, quanto por pais, alunos e toda a comunidade escolar,  percebe-se claramente que os objetivos propostos pelo projeto em 2017  foram alcançados. O projeto tem proporcionado acesso às tecnologias, as diferentes áreas de aprendizado e conhecimento, ampliando o universo informacional e cultural das crianças envolvidas além de proporcionar segurança aos pais quanto ao atendimento de seus filhos no contraturno escolar.  


Neste ano o ‘Educação em Tempo Integral: Escola Viva’ contemplará 210 crianças. Como diferencial, as crianças do Bairro Maria Terezinha que não frequentam a Emef e frequentam outras escolas do município, serão atendidas no contra turno, no núcleo do SCFV do bairro, já as crianças de outras localidades serão atendidas no SCFV do Centro. As oficinas iniciam em março e encerram no mês de dezembro.